Como um árbitro de futebol pode ser “crucificado” passados 66 anos!…

No dia 8 de Outubro de 1944 disputou-se um jogo de futebol a contar para o Campeonato Regional de Lisboa entre o Benfica e o Belenenses, em que o desfecho foi usado para, passados 66 anos, pôr em causa a honorabilidade de Filipe Gameiro Pereira falecido há 42 anos.
Como se costuma dizer, “quem não se sente não é filho de boa gente”. Reagi perante tal facto, enviando hoje ao jornal “A Bola” um pedido de rectificação para esclarecimento dos seus leitores.
É esse texto que passo a apresentar:

Quando em Abril de 2008, a propósito do 40º aniversário do falecimento do meu pai, resolvi tomar a iniciativa de registar para a posteridade a sua carreira de árbitro de futebol, dirigente e jornalista(*), nunca pensei que, dois anos volvidos, me deparasse com uma situação, no mínimo de injustiça, como aquela descrita num artigo do suplemento “Jogos do Centenário”, publicado no dia 1 de Setembro de 2010 no jornal “A Bola”.
Na altura resolvi fornecer à redacção desse jornal, informação que consta do blogue que construí, sugerindo que fosse publicado um registo sobre a efeméride.
Constatei que a memória é curta pois entenderam os senhores jornalistas não ter a dita efeméride qualquer relevância, visto que nada publicaram. Curiosamente a Federação Portuguesa de Futebol teve o mesmo comportamento, sendo a APAF a única excepção, publicando notícia no seu site.
Voltando ao artigo de 1 de Setembro de 2010, na página 06 daquele suplemento, com o título “Crucificados por causa de árbitro daltónico” são feitas insinuações torpes no que respeita à honestidade e isenção do árbitro Gameiro Pereira, não sendo reveladas as fontes.
Por outro lado, numa leitura mais atenta, afigurasse-me que, de uma maneira leviana, o articulista, cujo nome desconheço, enquadra a actuação do árbitro no âmbito da perseguição do regime político salazarista a determinado clube de futebol, neste caso ao Sport Lisboa a e Benfica.
Sobre este último aspecto quero desde já repudiar tal tentativa de conotação política de Filipe Gameiro Pereira com o regime salazarista que, eu como seu filho, posso testemunhar. Ao longo da vida o meu pai sempre se bateu pela verdade e pela justiça, incutindo-me esses valores desde muito novo. Numa leitura rápida do que disse atrás se pode depreender que esses valores eram antagónicos ao pensamento e prática da ditadura deposta no 25 de Abril.
Recordo com saudade uma frase que costumava dizer: “Quando isto der a volta, não vão chegar os candeeiros da avenida para os pendurar…”
Infelizmente não teve vida longa para constatar como estava enganado!
Depois de ter efectuado uma pesquisa (dentro daquilo que me foi possível) recorrendo aos vários documentos escritos na altura sobre o assunto, cheguei à conclusão que o referido trabalho jornalístico só pode ter sido feito com falta de rigor e ignorância.

Sobre o jogo Benfica-Belenenses

Ao contrário do que consta no referido artigo (de Setembro de 2010), em que se refere que a derrota teria como consequência a perda do título pelo Benfica, o jogo fazia parte da 4.ª jornada do Campeonato Regional de Lisboa, disputado no dia 8 de Outubro de 1944 no Campo-Grande. Este campeonato teve 10 jornadas e foi conquistado pelo Sporting na última jornada, disputada em 20 de Novembro de 1944 em que que o Benfica perdeu 1-2 no seu campo com o campeão, ficando a 4 pontos do mesmo.

Constituição das equipas: Benfica – Martins; César e António Carvalho; João Silva, Moreira e F. Ferreira; Manuel da Costa, Arsénio, Espírito Santo, Teixeira e Rogério.
Belenenses – Acácio; Vasco e Feliciano; Varela, Gomes e Serafim; Mário Coelho, Elói, Armando, Quaresma e Rafael.
Árbitro – Gameiro Pereira

 

Quadro classificativo publicado no jornal “O Século” de 20/11/44

 

Segundo registos jornalísticos da altura, guardados pelo meu pai, entre eles um escrito pelo senhor Manuel Mota na rubrica com o título “Os Sports”, em jornal que não me foi possível identificar, consta a seguinte apreciação:

O trabalho do árbitro – O Sr. Filipe Gameiro Pereira teve intervenções pouco felizes, não raro beneficiando com elas o infractor.
Em jogadas irregulares na grande área, não assinalou logo no início do desafio uma rasteira a Armando (do Belenenses) e duas faltas de Feliciano (do Belenenses) na segunda parte, perto do fiscal do jogo.
Quando da invalidação do ponto de Rogério (do Benfica), deve salientar-se que um dos fiscais de linha também assinalou a “deslocação”.

Nota: a identificação dos jogadores foi feita por mim para tornar claro o sentido do comentário para aqueles que não os conheçam.

Sobre este artigo do Sr. Manuel Mota não posso ainda deixar de referir o seu título: “A defesa belenenses suplantou o ataque benfiquista” cujo conteúdo reforça aquilo que parece ter sido a verdade do jogo. Como em muitos casos de ontem, de hoje e que certamente também se repetirão amanhã, o árbitro é “crucificado” quando as coisas correm mal para um dos lados da contenda, não querendo com isto dizer que não possam acontecer erros de arbitragem num jogo de futebol. Aliás, estou convencido que isso é tão normal como um guarda-redes dar um “frango” ou um jogador de campo falhar um golo que parecia tão fácil de meter…
Finalmente e ainda sobre o artigo de “A Bola” uma pergunta:
Quais as fontes usadas para se afirmar, conforme o artigo, que a DGD terá proposto uma pena ao árbitro apenas por ter tido o desplante de confessar no boletim de jogo que fora vítima de «certa confusão nas cores das camisolas»?

Para terminar, resta-me lamentar que um jornal desportivo com o prestígio de “A Bola” tenha sido utilizado para lançar acusações e conotações falsas sobre um seu ex-colaborador que desde 1947 até praticamente à data da sua morte, em 1968, quando era representante de Portugal na Comissão de Arbitragem da FIFA, deixando inúmeros artigos escritos naquele jornal sobre o futebol e a arbitragem nacional e internacional.
Nota: Em anexo deixo como curiosidade alguns artigos da imprensa, de Outubro de 1944 sobre o jogo e a jornada em questão.

Nota final: Sinto-me muito honrado pela carreira desportiva e jornalística que o meu pai, Filipe Gameiro Pereira, desempenhou, por aquilo que ele fez em prol deste desporto, em tempos tão difíceis como foram aqueles em que viveu, sugerindo aos senhores jornalistas uma visita ao blogue (*) que criei em sua memória para conhecerem melhor aquele que decidiram pôr em causa e que já não se pode defender.
—————————————————————–
(*)
http://fgpereira.antadaestria.net

A Imprensa de Lisboa em 9 de Outubro de 1944
O Século

Jornal de Notícias
Porto 9 de Outubro de 1944

Campeonato Regional de Lisboa-1944
Os resultados verificados nas 10 jornadas

Jornada data
1 17-09-44 Belenenses-Atlético 1-1 Benfica-Estoril Praia 6-3 Sporting-CUF 4-2
2 27-09-44 Benfica-Atlético 5-1 Sporting-Belenenses 4-2 Estoril Praia-CUF 4-2
3 01-10-44 Sporting-Atlético 3-2 Benfica-CUF 8-1 Belenenses-Estoril Praia 6-1
4 08-10-44 Benfica-Belenenses 0-1 CUF-Atlético 1-1 Estoril Praia-Sporting 2-2
5 15-10-44 Sporting-Benfica 3-2 Belenenses-CUF 2-1 Estoril Praia-Atlético 4-3
6 22-10-44 Atlético-Belenenses 2-3 Estoril Praia-Benfica 1-3 CUF-Sporting 1-2
7 29-10-44 Belenenses-Sporting 1-3 Benfica-Atlético 3-2 CUF-Estoril Praia 4-2
8 05-11-44 Atlético-Sporting 2-3 CUF-Benfica 2-9 Belenenses-Estoril Praia 0-2
9 12-11-44 Belenenses-Benfica 2-4 Sporting-Estoril Praia 2-2 Atlético-CUF 5-2
10 19-11-44 Benfica-Sporting 1-2 Atlético-Estoril Praia 1-4 CUF-Belenenses 4-3

Montagem de textos a partir de fotos tiradas na Hemeroteca de Lisboa por Jaime Pereira
Setembro/Outubro 2010

Agradecimento especial
Não posso deixar de agradecer ao senhor Alberto Hélder pelo seu apoio e encorajamento na realização deste modesto trabalho.
Jaime Pereira

Dedico este trabalho a todos os árbitros portugueses que ainda hoje levam as suas funções com ética e seriedade, contribuindo assim para que o futebol não seja apenas conhecido pelos escândalos e episódios menos dignos tão actuais.
Este era o espírito de Filipe Gameiro Pereira.
JP

Comentário de Alberto Hélder

Meu Estimado Amigo
Solicito e agradeço que coloque no seu blogue a seguinte mensagem:
Estimado Amigo e Senhor
Jaime Pereira
Na verdade o jornalista que fez a notícia pretendeu fazer uma brincadeira (de muito mau gosto), mas afectou a dignidade da pessoa de bem que foi Filipe Gameiro Pereira, saindo-lhe o tiro pela culatra, pois ignora em absoluto que há gente que defende e defenderá os príncipios de ética e da verdade no futebol português e da sua arbitragem, quando atacada da forma mesquinha como o foi.
Filipe Gameiro Pereira, foi uma pessoa de príncipios, sério e extremamente exigente para com as funções que desempenhou, quer na área desportiva (Árbitro conceituado e respeitado e dirigente de alto gabarito), quer na profissional (funcionário superior da Shell Portuguesa) e aparece agora um qualquer dito jornalista a enxovalhar o seu nome, o que, para mim, é um verdadeiro e grave atentado aos bons costumes.
Gameiro Pereira para além de inúmeras e importantes referências elogiosas que recebeu ao longo da sua vida, os cargos de responsabilidade que exerceu, foi, também, o mentor da criação da associação da classe dos Árbitros. Alvitrou, em Maio de 1958, a implementação da entidade que hoje existe, a APAF-Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, fundada em 12 de Maio de 1979.
O dito senhor jornalista em vez de se espalhar no título do artigo e das insinuações que fez, poderia aceder a qualquer motor de busca na net e procurar saber quem foi Gameiro Pereira. Simples! No meu blogue tem matéria bastante para ler e ficar a saber (em pormenor) os feitos e iniciativas dum grande Homem. Deve, pois, fazer mea-culpa, do mal que provocou aos familiares e amigos daquele que não se pode defender, o que lhe ficava muito bem. Quem erra, tem que se penitenciar…
Chamar daltónico a uma pessoa que estava obrigada a fazer períodicamente exames médicos para actuar como Árbitro, essa não lembra a ninguém, se não a uma pessoa que quis ser engraçada e borrou a pintura por falta de senso, categoria e sentido de responsabilidade.
Aquele abraço do
Alberto Helder.

PS-Agradeço humildemente a distinção que me atribui. Bem-haja!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *